Parlamentares derrubam emenda que excluía agentes penitenciários da Previdência Complementar e aprovam aumento de mais de 16% para governador

Nesta terça-feira (18) a Assembleia votou em sessão Extraordinária o projeto da previdência complementar e rejeitou a emenda que excluía os servidores penitenciários e policiais civis da proposta.

 

O Sinsap com o Sinpol realizaram um árduo trabalho de conscientização politica sobre o trabalho de risco que as profissões exercem e assim conseguiram que fosse colocado em pauta a emenda que exclui esses servidores da previdência complementar, entretanto, durante a votação a emenda foi rejeitada.

“É lamentável pois não existia nenhum impedimento para que obtivéssemos este reconhecimento, percebemos que se tratou de falta de vontade de tratar todos os servidores da segurança publica com isonomia. Algo incoerente é o aumento que foi aprovado ontem. Nas negociações com os servidores estaduais, o governo alega que não pode dar aumento por conta da crise e da situação das finanças do estado. Enquanto a maioria tem que se contentar com a inflação oficial do período, na casa dos 3%, o governador e os secretários de estado terão reajuste de 16,38%. Bem acima da inflação e em contradição com o discurso de austeridade, de “controle das contas públicas””, enfatiza o presidente do Sinsap, André Luiz Santiago.

 

“fica o nosso protesto pois acreditamos que todas as carreiras da segurança pública devem ter um tratamento diferenciado e os nossos agradecimentos aos parlamentares que defenderam a nossa bandeira” destaca o presidente do Sinpol, Giancarlos Miranda.

 

 

No mesmo dia os parlamentares aprovaram o aumento de 16,38% nos salários do governador e dos secretários

 

 

Ele fala ainda que a vertente que está sendo seguida para garantir que o servidor seja retirado da previdência é a similaridade da atividade policial. “O governo não tem nada que o empesa de reconhecer nossa atividade de risco, pois possui poder discricionário”, ressalta Santiago.

 

 

 

Além desta importante pauta, em Brasília está para ser votado a derrubada do veto da Susp que reconhece o agente penitenciário como atividade policial.